WEBMOTORS

janeiro 30, 2009

Versátil e econômica: Nova Yamaha XTZ 125 2009

Filed under: MOTOS — Tags:, , , — Pedrão @ 11:46 am

Versátil e econômica: Nova Yamaha XTZ 125 2009

popup_xtz125x_k_01Apesar da nova Yamaha ter tido que se adaptar ao rigoroso Promot 3 (lei que regulamenta a emissão de poluentes por motocicletas e similares), sua proposta de uso misto continua a mesma. Isso faz com que cada dia que passa fique mais distante dos tempos em que Yamaha lembrava motos de competição com seus ruidosos e poluentes motores dois tempos, ficando apenas em nossas lembranças.

Encontre Yamaha XTZ no Buscapé

MISTURA ECOLÓGICA
Assim como na street YBR 125 Factor, a Yamaha manteve a alimentação por carburador na sua trail de 125cc. Mais moderno, fabricado pela Mikuni, o carburador BS 25 tem acionamento do segundo estágio a vácuo e sensor de posição do acelerador (TPS) com válvula “cut-off”, que interrompe o fornecimento de combustível ao se tirar a mão do acelerador — o que contribui para menor emissão de poluentes e também para a economia de combustível. Além do carburador, o modelo usa escapamento com um catalisador para atender às novas regras.

As mudanças para poluir menos resultaram em perda de desempenho. A antiga XTZ 125 (lançada em 2003) oferecia 12,5 cv de potência máxima, já o modelo 2009 produz apenas 10,9 cv a 7.500 rpm. O torque máximo também diminuiu de 1,19 kgfm para 1,11 kgfm a 6.000 rpm. Na prática, ao se pilotar a nova XTZ não se nota tanto a perda de torque, mas se percebe que com a potência menor fica mais difícil manter a velocidade na estrada.

Como a XTZ 125 não é uma  moto estradeira, essa diferença de desempenho não deve ser percebida. Na cidade, essa perda de desempenho passa despercebido. A grande vantagem dela ändar menos” é a economia de combustível. Na estrada tem consumo de 42,3 km/l e nas ruas faz até 37,4 km/l.
popup_xtz125x_k_02
FICHA TÉCNICA
Yamaha XTZ 125 2009
Moto: quatro tempos, OHC, monocilíndrico, duas válvulas por cilindro, com arrefecimento a ar.
Cilindrada: 123,7 cm³.
Diâmetro e curso: 54,0 x 54,0 mm.
Taxa de compressão: 10,0 : 1.
Alimentação: Carburador BS 25 Mikuni.
Potência: 10,9 cv a 7.500 rpm.
Torque: 1,11 kgfm a 6.000 rpm.
Câmbio: cinco velocidades, com transmissão por corrente.
Quadro: tipo diamante em aço.
Suspensão: garfo telescópico de 180 mm de curso, na dianteira.
Balança monoamortecida, com curso de 180 mm, na traseira.
Freios: dianteiro a disco, de 220 mm, com pinças de dois pistões. Traseiro a tambor de 130 mm de diâmetro.
Pneus: Pirelli MT 90 – 80/90-21 na frente e Pirelli MT 90 – 110/80-18 atrás.
Dimensões: 2.090 mm (comprimento); 810 mm (largura); 1.125 mm (altura total); 840 mm (altura do assento); 265 mm (distância do solo) 1.340 mm (entre-eixos).
Peso: 103 kg a seco.
Tanque: 10,6 litros.
Cores: azul, preta e vermelha.
Preço: R$ 7.013 (partida a pedal) e R$ 7.817 (elétrica).

popup_xtz125x_k_011

PLÁSTICA NO ROSTO, PÉ NA TERRA
Além das adequações à nova lei de emissão de poluentes, a XTZ 125 também tem alterações visuais. A moto ganhou nova carenagem do farol, as setas também são novas, arredondadas como na sua irmã maior, a roupagem e o tanque continuam os mesmos, recebendo apenas novos grafismos. Outra pequena mudança foi na proteção do escapamento.

A ciclística permaneceu inalterada. O quadro é do tipo diamante com motor fazendo parte da estrutura. Na dianteira, o garfo telescópico convencional tem 180 mm de curso, assim como a suspensão traseira monoamortecida. Ambas absorvem tranquilamente as irregularidades do piso. Bastante leve, com 103 kg a seco, o conjunto da XTZ 125 merece elogios e encara uma estrada de terra ou a buraqueira do asfalto maltratado das nossas cidades sem transferir ao motociclista as imperfeições do piso.

As rodas, aro 21 na frente e 18 atrás, agora vem calçadas com pneus mais modernos, os Pirelli MT 90 Scorpion A/T de uso misto. O par tem limitações se a intenção for encarar a lama, mas se saem muito bem no asfalto e em terra seca.

O conjunto de freios também permaneceu o mesmo. Na dianteira, a XTZ 125 tem freio a disco de série — disco de 220 mm de diâmetro com pinça de dois pistões. Na traseira, um tambor de 130 mm. Em função do baixo peso da moto, o sistema de freios dá conta do recado.

Outro ponto positivo para quem é fã de motos trail é a posição de pilotagem. Bastante ereta e com o tanque esguio, o piloto se encaixa na moto e tem total controle para uma aventura mais off-road. Porém o banco estreito, pode se tornar um desconforto para quem passa muitas horas pilotando.

Claro, a XTZ 125 tem suas limitações para trilhas mais pesadas, não apenas em função dos pneus, mas do desempenho que pode comprometer a aventura em subidas mais íngremes. Bom lembrar que esta trail não é uma off-road profissional. Mas atende muito bem a proposta de uso misto — um modelo para se uso no dia-a-dia e que transite bem no sítio, na praia e por vias não-pavimentadas.

Disponível nas cores azul, preta e vermelha, a XTZ 125 vem em duas versões, ambas com freio a disco na dianteira: a K, com partida a pedal; e a E, com partida elétrica. O preço, apesar das alterações no motor e no visual, aumentou pouco em relação à versão passada: passou de R$ 6.867 para R$ 7.013 na versão K. Já a versão E 2009 sai por 7.817.

Leia também:


Nova XR 250 Tornado!
Nova Twister, ou seria kriva?
CG Titan 2009 faz mais de 40 km/l
Nova Lander 2009 Yamaha XTZ 250
Novo Uno e projeto Viva
Ar condicionado gasta mais? Nem sempre!!!
Moto de US$ 125 000 feita por preparador!
Maxi-Eco promete motor de 60 km/l
Novo BMW 3 em 1
Flagrado Porsche Panamera!
Arte no vidro do carro…Lave-me!
Gran Venture é o nome da nova Fiat Strada cabine dupla!
Novo carro da Red Bull para 2009
Menor carro do mundo!
GP Limo: Limousine de corrida
Moto GP: Nova máquina de Rossi em 2009
Picape do Peugeot 207 flagrada nas ruas
Os tunados mais esquisitos!
Novo Clio cai na internet
Versátil e econômica: Nova Yamaha XTZ 125 2009
Porsche mostra seu bólido: 911 GT3 2010
Motos ecologicamente corretas: híbridas e a gás!
Pneus: entenda as medidas
Estoque 2008 encalhado!
Hayabusa 2009
O mais econômico!
Nova Yamaha TTR 230 2009
Nova Honda CBX Twister, possível Kriva?
Motos chinesas invadem mercado nacional!
Novos carros e regras da F1 2009
Nova Saveiro com cabine estendida se chamará Arena
Fiat Palio 2010 – Em busca do terreno perdido

Anúncios

2 Comentários »

  1. porque as lanternas traseiras
    das motos yamaha e tao
    feia nao tem emgenheiro?

    Comentário por FRANKLIN — março 3, 2009 @ 12:52 am

  2. Fraca demais Yamaha deveria investir em potencia,pq é muito fraquinha isso ai parece kasinski.

    Comentário por Pedro Cardoso — março 18, 2011 @ 10:53 pm


RSS feed for comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: